Experimentem, degustem, divirtam-se!

Experimentem, degustem, divirtam-se!
Conheçam livros de ficção e fantasia com tempero nacional: Agridoce, Cítrico e Paganus.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Leu o Gênese Pagã? Tem desconto de 50% na compra de Paganus!

Olá!! Boas novas!! Você leu Gênese Pagã, a primeira versão de Paganus, lançado em 2008?
Então tem desconto de 50% (o livro custará 14,90 + 4,50 de frete) para adquirir Paganus diretamente com a autora e ainda leva o livro autografado. =)
Para conquistar o desconto, basta enviar um email para: simone.odete@uol.com.br e responder à pergunta:
O que Diogo negocia em uma das aldeias em troca de hospedagem? =)
Beijos!!!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Drops de Paixão no Inverno

PRÓLOGO Chamado à presença do Rei Edward, William Davon foi agraciado com o título de Barão pelos serviços prestados à coroa. Com o título, também recebeu terras, o que aumentou seu poder e sua fortuna. A promessa do rei era de que, em cinco anos, William herdaria o título de Conde Davon, que pertencera ao seu pai, pois ainda havia questões pendentes envolvendo o falecido Conde. William era um soldado e uma das exigências que o rei fizera para que recebesse o título, era a de que ele se casasse e a noiva já estava escolhida, Lady Lizbeth de Tanis, filha mais velha do Barão Joseph De Tanis.
O velho Barão perdera suas terras em apostas e recorrera ao rei, que devia inúmeros favores à tradicional família De Tanis. O Rei Edward, então, recuperou as terras, mas as colocou nas mãos de William e o ordenou que se casasse com a filha mais velha de Joseph, assim a família De Tanis não precisaria deixar suas terras e prestariam vassalagem ao novo Barão. William acatou a ordem com desprazer, não desejava se casar, tinha uma péssima fama com as mulheres e não deixaria de usufruir de outros prazeres por conta de uma única mulher. Enquanto voltava para seu palácio, agora com um novo status, mandou um mensageiro até seu irmão mais novo, Robert. A mensagem dizia que Robert ficaria provisoriamente como seu capitão da guarda, pois era o homem de sua maior confiança e até que tudo fosse reestruturado, o irmão se encarregaria de comandar os soldados, mas antes disso deveria ir até seu vassalo, o Barão De Tanis, e escoltar a filha mais velha dele até o palácio.
Robert não conseguiu esconder o sorriso ao ler na mensagem que William iria se casar e com uma lady que não conhecia. O irmão mais velho dissera inúmeras vezes que não se casaria, mas agora se via obrigado a fazê-lo para cumprir uma ordem real. Deveria casar-se com a filha mais velha do barão De Tanis, provavelmente uma mulher horrorosa, que já passara da idade de casar e que não arrumara pretendentes que não fossem obrigados a assumir tal compromisso, como seu irmão. Se William não fosse tão beberrão e pouco delicado com as mulheres, ficaria com pena dele, mas a mulher de seu irmão não teria uma vida fácil ao seu lado, mas aquilo era um problema para o irmão e lady de Tanis resolverem. Cabia a ele apenas levar a tal lady até Davon... Robert Davon fora treinado como soldado, mas não lutara em guerras como seu irmão. Sempre soube que William herdaria o título do pai e ele, realmente, não se preocupava muito com isso. Seu sonho era administrar as vinhas que ficavam na propriedade que herdara da mãe e quem sabe se casar e ter vários filhos... Sonho que fora adiado por conta da morte de seu pai e que acarretara em novas obrigações. Precisava provar ao irmão que era capaz de comandar a guarda e sua primeira obrigação era algo simples, até demais. A escolta da futura mulher de seu irmão era algo que não exigiria esforços ou seus treinamentos de guerra.
Reunindo um pequeno grupo de seis homens de confiança, Robert partiu quando o céu ficou demasiadamente acinzentado indicando que a neve não demoraria a chegar, portanto ele deveria se apressar ou correria o risco de ficar preso na estrada ou na propriedade dos De Tanis até as estradas estarem desobstruídas.
William não tinha pressa em voltar para casa e menos ainda em se casar. Robert levaria a noiva até Davon e ela ficaria lá esperando por ele, pois não tinha outra opção, assim como ele Lizbeth de Tanis tinha que aceitar o inevitável. Não estava nem um pouco ansioso para conhecer a filha recalcada do Barão De Tanis... Resolveu que tudo aquilo merecia uma comemoração ou um desabafo e se entregou aos seus prazeres preferidos: bebida e mulheres.

Para quem gosta de romances românticos. =)

Olá queridos! Olhem só. Quando preciso me distanciar de meu trabalho que está em fase de publicação ou de uma das sagas, escrevo alguns pequenos romances românticos... aqueles de banca mesmo, sabem? Eles foram publicados em comunidades do orkut e sua versão ebook também esteve em alguns blogues. Agora, para quem quiser o primeiro volume em papel, ou mesmo na versão digital, pode encontrá-lo no clube de autores em formato pocket. =) Quem quiser experimentar esteja á vontade e não deixe de me dar a opinião, que como em todo meu trabalho é muito importante para mim! O livro se chama Paixão no Inverno e é um romance histórico. Visite o site do clube de autores e leia a sinopse. ;) http://www.clubedeautores.com.br/book/117655--Paixao_no_Inverno Beijos!

sábado, 26 de novembro de 2011

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Gleide descobre sobre o pecado original. ;)

(Paganus, 2011) (...) Diogo se sentou à mesa fitando as brasas do fogareiro e Gleide percebeu que ele estava confuso. - Então, Diogo Couto, fala-me de teu Deus. – ela se sentou ao lado dele, que se surpreendeu com a pergunta. – Eu devo saber como fingir, não? – sorriu lembrando-o do conselho que ele lhe dera antes da aldeia ser invadida. - Ele... é bom, senhora. – ele começou a falar, sem saber como explicar Deus, enquanto Gleide o olhava interessada. - Só isso? – ela sorriu e ele fez uma careta – Por que aquele homem esquisito de túnica negra fez questão de jogar água em nossas cabeças? - Chama-se batismo... é o expurgo do pecado de Eva... - O que é um pecado? – ela perguntou com genuíno interesse e ele se ajeitou na cadeira. - É algo que desagrada a Deus. – simplificou. - Sei... – ela comentou. – E o que a tal Eva fez que desagradou tanto a teu Deus? – encarou-o interessada, queria ouvir os motivos que a crença de Diogo dava para que todos tivessem que se livrar, através da água, de algo que uma mulher fizera. Diogo respirou fundo e se ajeitou na cadeira mais uma vez, apoiando as mãos sobre a mesa. - Eva comeu do fruto proibido... e por causa disso, ela e Adão foram expulsos do paraíso... - ele não sabia como explicar. Via-se apenas reproduzindo as histórias que conhecia. Gleide levantou uma das sobrancelhas e sorriu. - Qual foi esse delicioso fruto? - ela o provocou e Diogo sentiu que seu rosto ficou vermelho. - Uma... maçã... - disse fitando as próprias mãos. De repente parecia que falava uma grande besteira. - Oh, não! - ela ironizou. - Então não comem maçãs? - disse apoiando o queixo na mão, na verdade estava adorando o constrangimento que via no rosto do rapaz ao expor detalhes de sua crença, a qual estavam obrigando todos a seguir. - Comemos, sim, senhora... - ele sorriu sem jeito. - A culpa não foi do fruto... - levantou os ombros. - Ah, sim! A culpa foi da mulher! - ela suspirou. - Então por que não batizam apenas as mulheres? - levantou os ombros. - Adão também comeu do fruto... - ele falou baixo e Gleide riu. - Pobres homens... - ela balançou a cabeça. - É só isso que devo saber?

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Novidades divinas! =)

Olá queridos!! Como muitos já devem ter percebido, eu ADORO mitologias!! Então, aí vem mais uma antologia para a qual fui convidada e que tem deuses celtas! Meu conto se chama O Carvalho e o Visco. A Batalha dos Deuses é organizada pelo Juliano Sasseron e publicada pela Novo Século. Lançamento: dia 17/12, às 19:00 na livraria Martins Fontes, na Av. Paulista em SP!
Beijos!

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Está fora de São Paulo e quer Paganus autografado? =)

Olá!! Neste sábado estarei na Livraria Saraiva do Shopping Paulista, das 16 às 18, participando do Papo Fantástica ao vivo. Meu livro Paganus estará à venda por lá, para quem quiser aproveitar e levar o exemplar autografado. Quem tem algum livro meu e quiser aproveitar, apareça! ;)
Quem não está em São Paulo e quiser um exemplar autografado, é só me mandar um email e a gente combina o envio. O valor do livro é R$29,90, nas livrarias Cultura, Saraiva e Singular ou diretamente comigo. ;) Beijos!!

sábado, 5 de novembro de 2011

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Conheçam um pouquinho do novo prólogo de Paganus. =)

(...)Dom Fernando, já ordenado Bispo, estava presente e se sentava com o irmão enquanto bebiam o vinho. Analisava os olhos do irmão, enquanto olhava para o filho que, feliz, dançava e cortejava as garotas.
- Por que não o manda para o seminário? Sabes que seria uma boa forma de fazê-lo mais obediente. Muitas famílias mandam os rapazes que são mais apegados às artes e à música, para que arrefeçam os ânimos... – Fernando observava o sobrinho.
- Carlota quer transformar um de meus filhos em uma rapariga e tu queres colocá-lo em uma batina. – Mário balançou a cabeça - Diogo já é fraco demais para meus padrões, se eu afrouxar as rédeas...
- Eugênia apreciaria. – Dom Fernando argumentou.
- Eugênia está morta. – Mário falou seco e se levantou dando a conversa por encerrada. O nome da mulher sempre o fazia se lembrar de que um dia também foi fraco.
- Tens certeza de que vais conseguir domar Diogo? Ele gosta é dos bailes da corte, das raparigas que o cercam... e vive dos mimos de Carlota. – O bispo fez uma careta. – Como pode um homem tornar-se forte assim? Não age junto de ti, como Douglas... que segue teus passos com perfeição. – ele olhou para Douglas que bebia com os soldados em um dos cantos do salão.
- Ele vai se corrigir, Fernando. Tens minha palavra. – Mário respirou fundo. Fazia 10 anos que Eugênia falecera, mas o vazio que deixou na alma dele, ainda continuava lá. - Ainda precisam de um Dom para a Vila dos Canetos? – ele se virou abruptamente e encarou o irmão.
- Bem... – Dom Fernando o olhou confuso. Existia a necessidade de um braço forte na província de Trás-os-Montes, a caça aos hereges pagãos era necessária e urgente, mas o irmão dissera meses antes que não estava interessado. – Sim, mas tu disseste...
- Esqueças o que eu disse antes. Dá-me o título, as terras, os homens e as armas e limparei aquela província em nome de Deus. – os olhos negros de Mário brilharam. – E quem sabe fortaleço Diogo fazendo-o caçar esses hereges. Agir como homem.
- Acreditas que Carlota o deixará partir? – Dom Fernando sorriu.
- Ela não manda em nada. – foi a resposta seca de Mário. – Está decidido.
(...)

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Paganus à venda!!!

Olá!! Meu livro Paganus já pode ser encontrado nos sites da livraria Cultura: www.livrariacultura.com.br e no site da Singular: http://www.lojasingular.com.br/paganus_9788598792255.html
O livro tem 372 páginas e custa R$ 29,90! Experimentem. =) Beijo!